[ Geral ]

Publicado em 10/04/2022 às 19h58 | 181 visualizações | |

Atriz revela o que tem aprendido com a história da mãe de Jesus e sobre o protagonismo feminino naquela época

 

Prestes a viver Maria na Paixão de Cristo da cidade de Floriano, Ana Cecília Costa está debruçada sobre a história da mãe de Jesus. A atriz destaca que Maria se comunica com o coração dos devotos e seu principal desafio, ao dar vida a ela, será humanizá-la e “interpretar não a Santa que está no céu, mas a mulher que está na Terra”. 

“A representação de Maria na Paixão de Cristo é a figura da Mater Dolorosa. Jesus é um preso político do seu tempo, que é torturado e morto injustamente. Neste sentido, Maria representa toda mulher/mãe comum (e são muitas), que sofre a maior das dores: a morte de um filho. O desafio é humanizar Maria para que o público perceba que aquela dor é concreta, que são lágrimas de uma mãe real”, pondera.  

Ana Cecília destaca que, como a encenação acontece em um dos maiores teatros a céu aberto do Brasil, em que o olhar de quem estar no palco não alcança a plateia, o uso da voz como instrumento de interpretação e a expressão do corpo são fundamentais para transmitir toda emoção que o espetáculo exige. 

“Por isso, estou buscando referências nas representações de Maria na pintura de Caravaggio, por exemplo. A composição de Maria, feita pela atriz Maia Morgenstern no filme ‘A Paixão de Cristo’, tem a humanidade que procuro. Pesquiso expressões em fotografias de mães comuns que estão sofrendo a perda do filho. E rezo o terço, que é um ritual mariano”, revela. 

Ensinamentos 

Ao se aprofundar na história de Maria, uma mulher simples que criou, junto com seu companheiro José, uma criança, um jovem revolucionário, cuja história e mensagem são tão poderosas que atravessaram o tempo e o espaço, Ana Cecília revela o que tem aprendido: “Maria me ensina sobre fé, coragem e amor. Gostaria que fossem publicados mais estudos sobre Maria, Maria Madalena, as irmãs Marta e Maria e tantas outras personagens femininas que foram atuantes e importantes na vida de Jesus”. 

E em tempos tão conflituosos como o atual, a atriz reforça que a importância de relembrar a história de Jesus. “Em tempos sombrios de pandemia, de guerra, de falsos profetas, é fundamental relembrar que o sentido cristalino da Paixão de Cristo é a ressurreição, ou seja, a vitória da vida sobre a morte. A morte não é o fim da história. Jesus ressuscita e a primeira pessoa para quem ele se mostra é uma mulher, Maria Madalena. Uma mensagem muito clara de esperança”, conclui. 

Paixão de Cristo 

Após dois anos sendo transmitida virtualmente devido ao agravamento da pandemia do novo coronavírus, a tradicional Paixão de Cristo da cidade de Floriano (PI) volta a ser encenada com a presença de público em 2022. O evento, realizado pelo Grupo Escalet há 27 anos, acontecerá nos dias 15 e 16 de abril, no Teatro Cidade Cenográfica, e promete surpreender a plateia com roteiro aperfeiçoado e cenários renovados, além de convidados especiais. No elenco, além de Ana Cecília Costa, estão Caio Blat, Ernani Moraes, Leona Cavalli e Suely Franco. 

Para mais informações: (89) 99454-6999 ou (89) 99425-9417 

Site: www.paixaodecristopi.com.br/ 

Instagram: @paixaodecristopiaui @grupoescalet 

 

Comentários ()

ATENÇÃO !

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Mais postagem de [ Geral ]

É dada a largada para 10ª edição do Festival Nacional de Teatro do Piauí

10ª edição do Festival Nacional de Teatro do Piauí

É dada a largada para 10ª edição do Festival Nacional de Teatro do Piauí

 Pela primeira em 27 anos, Jesus não será interpretado por um piauiense na Paixão de Cristo de Floriano

“Interpretar Jesus é a maior experiência para um ator religioso como eu”, revela Caio Blat

Pela primeira em 27 anos, Jesus não será interpretado por um piauiense na Paixão de Cristo de Floriano